Arquivos
 04/11/2007 a 10/11/2007
 28/10/2007 a 03/11/2007
 21/10/2007 a 27/10/2007
 14/10/2007 a 20/10/2007
 07/10/2007 a 13/10/2007
 30/09/2007 a 06/10/2007
 23/09/2007 a 29/09/2007
 16/09/2007 a 22/09/2007
 09/09/2007 a 15/09/2007
 02/09/2007 a 08/09/2007
 26/08/2007 a 01/09/2007
 19/08/2007 a 25/08/2007
 12/08/2007 a 18/08/2007
 05/08/2007 a 11/08/2007
 29/07/2007 a 04/08/2007
 22/07/2007 a 28/07/2007
 15/07/2007 a 21/07/2007
 08/07/2007 a 14/07/2007
 01/07/2007 a 07/07/2007
 24/06/2007 a 30/06/2007
 17/06/2007 a 23/06/2007
 10/06/2007 a 16/06/2007
 03/06/2007 a 09/06/2007
 27/05/2007 a 02/06/2007
 20/05/2007 a 26/05/2007
 13/05/2007 a 19/05/2007
 06/05/2007 a 12/05/2007
 29/04/2007 a 05/05/2007
 15/04/2007 a 21/04/2007
 08/04/2007 a 14/04/2007
 01/04/2007 a 07/04/2007
 25/03/2007 a 31/03/2007
 18/03/2007 a 24/03/2007
 11/03/2007 a 17/03/2007
 04/03/2007 a 10/03/2007
 25/02/2007 a 03/03/2007
 18/02/2007 a 24/02/2007
 11/02/2007 a 17/02/2007
 04/02/2007 a 10/02/2007
 28/01/2007 a 03/02/2007
 21/01/2007 a 27/01/2007
 14/01/2007 a 20/01/2007
 07/01/2007 a 13/01/2007
 31/12/2006 a 06/01/2007
 24/12/2006 a 30/12/2006
 17/12/2006 a 23/12/2006
 10/12/2006 a 16/12/2006
 03/12/2006 a 09/12/2006
 26/11/2006 a 02/12/2006
 19/11/2006 a 25/11/2006
 12/11/2006 a 18/11/2006
 05/11/2006 a 11/11/2006
 29/10/2006 a 04/11/2006
 22/10/2006 a 28/10/2006
 15/10/2006 a 21/10/2006
 08/10/2006 a 14/10/2006
 01/10/2006 a 07/10/2006
 24/09/2006 a 30/09/2006
 17/09/2006 a 23/09/2006
 10/09/2006 a 16/09/2006
 03/09/2006 a 09/09/2006
 27/08/2006 a 02/09/2006
 20/08/2006 a 26/08/2006
 13/08/2006 a 19/08/2006
 06/08/2006 a 12/08/2006
 30/07/2006 a 05/08/2006

Votação
 Dê uma nota para meu blog

Outros links
 Bortolotto
 Márcio Américo
 Célia Mussili
 Gibizada
 Márcia
 Lielson
 Blues Masters
 Selton
 Pedrão
 Pedrita
 Caraminholas
 Ana Paula
 Wolf Attack
 Benett
 Leo Lama
 Zéu Britto
 R. L Burnside's
 Maga
  Revista Lasanha
 Revista Blues e Jazz
 Blues4Fun




Blues Writer
 


Nunca Subestmei Meu Talento Para o Fracasso



Escrito por fernandobluesborghi às 14h51
[] [envie esta mensagem
]





Truman Capote em quadrinhos

A editora Devir lançará em março no Brasil o álbum "Capote no Kansas",
com roteiro de Ande Parks e arte de Chris Samnee.
Assim como no filme "Capote", em que Philip Seymour Hoffman
interpreta e incorpora o escritor, a HQ também retrata o período em
que Capote apurava e escrevia o romance "A sangue frio",
livro-reportagem sobre o múltiplo homicídio de uma famíla no Kansas
cometido por dois ladrões: Richard Hickock e Perry Smith.
Publicado nos EUA pela Oni Press no ano passado, o livro vai um pouco
mais longe do que o filme na relação de Capote com Smith, ousando mostraraté
um beijo que teria ocorrido entre os dois na cela do assassino
enquanto ele aguardava sua execução.



Escrito por fernandobluesborghi às 09h56
[] [envie esta mensagem
]





Assisti LA DOLCE ViTA do Fellini
dias atrás e cheguei a conclusão de
que não tem ninguém que filme mulheres
na noite tão perfeitamente como ele.

É incrivel como as mulheres do velho
Fellini vislumbram, tanto na fotografia
como na interpretação. E não vou
ficar aqui citando o nome das atrizes, porque
todas as grandes atrizes que ele filmou
tem um destaque, um brilho, uma interpretação
muito pessoal.



Escrito por fernandobluesborghi às 09h57
[] [envie esta mensagem
]





Down On The Street in Copacabana

Eram exatas 18:00 horas daquela fatídica Sexta-feira de carnaval,
quando o motor da minha velha motocicleta (que há algum tempo não
andava muito católico), resolveu morrer de vez e me deixar na mão.
Em outras oportunidades talvez eu a espancasse, roga-se mil pragas
e ou tomasse alguma atitude troglodita. Afinal em mais de dez anos
de convivência, ela já dormiu em lugares incríveis, ou porque eu a
deixei, ou porque ela me deixou na mão.
Mas naquele dia não. Eu calmamente estacionei meu pequeno trambolho
de estimação no inicio da Nossa Senhora de Copacabana e resolvi
procurar um boteco para tomar uma cerveja e relaxar.
Muito dessa calma se devia única e exclusivamente ao carnaval. Pois
eu só retornaria aquela maldita repartição pública dali a cinco dias.
Como nunca fui fã dessa porra toda. Iria me isolar de tudo e de todos
em meu minúsculo apartamento, devidamente munido com minha infindável
coleção de Dvds do Hitchcock, aliada a uma frota interminável de
cervejas estupidamente geladas e batata. Muita batata-frita.
Havia decidido que durante os próximos dias onde quase todo o
Rio de Janeiro iria cair na Folia de Momo, eu simplesmente me
resumiria a um monte de quinquilharia amontoada no sofá, talvez
até sem tomar banho, fazer a barba ou até mesmo em raras ocasiões
levantar minha velha bunda da poltrona. Já que minha geladeira e
televisão ficam estrategicamente instaladas ao lado do sofá.
Após estacionar a moto fui até um de meus botecos preferidos o
“Malagueta, Perus e Bacanaço”. Ao entrar no velho botecão não pude
deixar de notar um silêncio sepulcral gigantesco que tomava conta
do ambiente, e olha que todas as suas vinte e poucas mesas estavam
ocupadas, e jogando baixo havia pelo menos uns cinqüenta marmanjos
no lugar. Mas todos pareciam estar abduzidos, em transe devidamente
sentados a observar o teto do Malagueta. João Antônio, o proprietário
percebeu que eu desconfiava de alguma coisa e não perdeu tempo.
-Eles tomaram um Down On The Street! Lançamento do verão. Loucura Total!
-Mas que tipo de cachaça é essa João?
-Uma bebida que te eleva às alturas, literalmente!
-Parece que está todo mundo curtido!
-Com apenas uma dose, você acredita?
-Vê uma dessas pra mim!
João Antônio colocou o precioso líquido num copo pequeno de cachaça
e sua coloração amarelada me lembrou na hora das eternas canas mineiras.
Virei a dose numa talagada só e não pude deixar de notar o sabor meio
exótico da bebida. Eu que na vida só não havia bebido estanho
derretido tentava de todas as formas decifrar seu sabor, mas desisti
quando tão logo me virei pra rua e sai à porta do velho Malagueta pra
acompanhar os passos de uma morena gigantesca cor de jambo devidamente
instalada num micro-mini-shorts verde limão atolado em suas entranhas.
Conforme eu fixava os olhos naquelas lindas nádegas morenas separadas
por apenas e tão somente um retalho de tecido de gosto duvidoso, notei
a presença de uma enorme colombina sorridente refletida na nádega
esquerda da morena escultural. A colombina não só sorria como acenava
com uma das mãos para mim. Instintivamente resolvi piscar os olhos mais
de uma vez para ver o que estava acontecendo e na terceira piscada
Copacabana escureceu e do céu avermelhado enormes grãos de feijão caíram
em formato de espadas, homens de gravata, mulheres de saia, buzinas, ar
com precipitação, um enorme negão cara de cachorro possuído por
gigantescos dentes de ouro sorria e iluminava toda a orla, os bondes
rangiam nos trilhos, profusão de barulhos, confusão, gente,muita 
gente empurrada e empurrando a tudo e a todos direto a boca do inferno
em meio a maré alta um bloco de carnaval de máscaras de Veneza desembarcava
na calçada feito os aliados na Normandia um enorme Teatro de Revista
com vedetes de tom amesquinhado rugiam lama com bafo de alho batendo de
frente a calotas de automóveis de chocolate derretido exalando odor de
fossa sabor menta misturados  a charutos de três metros e meio de altura
o Cristo Redentor desceu e esmagou toda uma tropa de lesmas fardadas
que apontavam suas armas de plástico a formigas com binóculos ruble
focados a uma imensa clareira de nuvens carregadas de sacolas plásticas
cheirando a morangos mofados muito acima das centenas de prédios que
um a um se encostavam feito dominós num balé aleatório junto a roleta
russa de um japonês sem olhos que  vagava etéreo  em cima de um elefante
de patas decepadas urrando de dor ao tocar as cercas elétricas do s
ambódromo que a muito havia se transformado numa piscina olímpica cheia
de sangue de virgens soviéticas que atendendo a um pedido especial da
governadora com cara de taturana que aos berros no noticiário vinte e
quatro horas refletido nos outdoors da Tijuca ordenou  que todos os
absorventes íntimos fossem jogados na lagoa Rodrigo de Freitas para
comemorar uma nova era de aquário que surgiria da próstata podre de
um anão de jardim de Alá que sem um único dente na boca sorria
descompassado ao acompanhar o samba enredo da Caprichosos de Pilares
que exaltava o poder transcendental da misantropia aborígine dos elevados
de larva homogênea da Central do Brasil de Walter Salles que jazia morto
sem as palmas da mão  esquerda em pleno calçadão de Ipanema fedendo a
urina de cavalos brancos pintados por uma centena de incansáveis 
artistas plásticos manipulados por controle remoto de um jatinho atolado
nas dunas de areias sem fim do Jóckey Clube onde uma enorme colombina
sorridente refletida na nádega esquerda da morena escultural
devidamente embalada num micro-mini-shorts verde limão que desfilava
defronte ao boteco do João Antônio que do balcão gritava pra mim.
-E ai que achou do material garoto?
-Vê um litro desse troço que eu vou levar pra casa!
-Certeza?
-É bom demais!
-Eu não te falei garoto!
-Como é mesmo o nome dessa bebida João?
-Down On The Street!
Quando João terminou de mencionar o nome da bebida, todos dentro
do boteco aos berros clamavam mais uma dose daquela maravilha.
Nunca tive um carnaval tão perfeito quanto aquele.



Escrito por fernandobluesborghi às 21h06
[] [envie esta mensagem
]





Hard Time Killing Floor

Não me canso de ouvir Blues Singer,
petardo mais que perfeito do Mestre
Buddy Guy. Muito bom, bom demais. É
impossivel definir a sonoridade
do poderoso blues que ele evoca e
além de fazer um bem danado para
quem ouve de certa forma embriaga
até os ouvidos dos mais desatentos.
Eis um dos discos que não podem
faltar pra quando eu decidir me isolar
na mais deserta das ilhas.



Escrito por fernandobluesborghi às 17h47
[] [envie esta mensagem
]



 
  [ Ver arquivos anteriores ]