Arquivos
 04/11/2007 a 10/11/2007
 28/10/2007 a 03/11/2007
 21/10/2007 a 27/10/2007
 14/10/2007 a 20/10/2007
 07/10/2007 a 13/10/2007
 30/09/2007 a 06/10/2007
 23/09/2007 a 29/09/2007
 16/09/2007 a 22/09/2007
 09/09/2007 a 15/09/2007
 02/09/2007 a 08/09/2007
 26/08/2007 a 01/09/2007
 19/08/2007 a 25/08/2007
 12/08/2007 a 18/08/2007
 05/08/2007 a 11/08/2007
 29/07/2007 a 04/08/2007
 22/07/2007 a 28/07/2007
 15/07/2007 a 21/07/2007
 08/07/2007 a 14/07/2007
 01/07/2007 a 07/07/2007
 24/06/2007 a 30/06/2007
 17/06/2007 a 23/06/2007
 10/06/2007 a 16/06/2007
 03/06/2007 a 09/06/2007
 27/05/2007 a 02/06/2007
 20/05/2007 a 26/05/2007
 13/05/2007 a 19/05/2007
 06/05/2007 a 12/05/2007
 29/04/2007 a 05/05/2007
 15/04/2007 a 21/04/2007
 08/04/2007 a 14/04/2007
 01/04/2007 a 07/04/2007
 25/03/2007 a 31/03/2007
 18/03/2007 a 24/03/2007
 11/03/2007 a 17/03/2007
 04/03/2007 a 10/03/2007
 25/02/2007 a 03/03/2007
 18/02/2007 a 24/02/2007
 11/02/2007 a 17/02/2007
 04/02/2007 a 10/02/2007
 28/01/2007 a 03/02/2007
 21/01/2007 a 27/01/2007
 14/01/2007 a 20/01/2007
 07/01/2007 a 13/01/2007
 31/12/2006 a 06/01/2007
 24/12/2006 a 30/12/2006
 17/12/2006 a 23/12/2006
 10/12/2006 a 16/12/2006
 03/12/2006 a 09/12/2006
 26/11/2006 a 02/12/2006
 19/11/2006 a 25/11/2006
 12/11/2006 a 18/11/2006
 05/11/2006 a 11/11/2006
 29/10/2006 a 04/11/2006
 22/10/2006 a 28/10/2006
 15/10/2006 a 21/10/2006
 08/10/2006 a 14/10/2006
 01/10/2006 a 07/10/2006
 24/09/2006 a 30/09/2006
 17/09/2006 a 23/09/2006
 10/09/2006 a 16/09/2006
 03/09/2006 a 09/09/2006
 27/08/2006 a 02/09/2006
 20/08/2006 a 26/08/2006
 13/08/2006 a 19/08/2006
 06/08/2006 a 12/08/2006
 30/07/2006 a 05/08/2006

Votação
 Dê uma nota para meu blog

Outros links
 Bortolotto
 Márcio Américo
 Célia Mussili
 Gibizada
 Márcia
 Lielson
 Blues Masters
 Selton
 Pedrão
 Pedrita
 Caraminholas
 Ana Paula
 Wolf Attack
 Benett
 Leo Lama
 Zéu Britto
 R. L Burnside's
 Maga
  Revista Lasanha
 Revista Blues e Jazz
 Blues4Fun




Blues Writer
 


Café Van Gogh ( 60 )

A noite finalmente havia chegado, e com ela a calmaria. A correria
e o desespero que tomaram conta de quase todo o dia agora davam
lugar a uma tranqüilidade parcial. O céu estrelado servia de cobertor
para uma quantidade enorme de camas de campanha que tomavam conta
da praça principal.E eu bem no meio delas. Apesar de algumas conversas
dispersas aqui e acolá, a maioria daquelas pobres almas encaravam os
céus com que dizendo :-“E de agora em diante, o que será de nossas
vidas!” Eu ( pelo menos em meu pensamento), talvez seria um dos poucos
a destoarem do coro dos descontentes. Afinal, estava tão ou mais ferrado
que aquelas pobres almas, há muito tempo. Não tinha mais nada a perder,
estava carregando um fardo tão ou mais pesado que minhas costas. Sei que
o que vinha a minha cabeça nada mais era que sinônimo de um neura
desgovernada e juvenil, mas estava começando a me sentir responsável de
certa forma, por tudo o que acontecia ao meu redor. Talvez se eu não tivesse
adormecido naquele maldito banco do zoológico e seguido aquele mendigo,
talvez aquela pobre coitada não amanhecesse morta ao meu lado naquele beco.
Se não tivesse aceitado aquela carona no vale do Paraíba, aquele caminhoneiro
não tivesse armado aquela presepada todo no Restaurante, e por conseqüência
não teria conhecido Lena, sua irmã e seu comércio ilegal de venda de Dvd’s
que a essa altura do campeonato já não existe mais, pelo menos eu acho.
Mas essa tormenta toda que bem provavelmente tenha acarretado a morte do
garçom que só quis me ajudar, não posso de forma nenhuma me sentir responsável.
Sei que é muita pretensão minha pensar desse jeito, ficar me remoendo e sentindo
responsável por um bando de desajustado que como eu são apenas cobaias nesse
mundo doido e inconseqüente. Levantei-me, e depois de alguns passos senti a
brisa da noite bater de frente a meu rosto. Tenho certeza que se tivesse um
espelho naquele exato momento para me encarar de frente , o que eu encontraria
nele refletido seria a  imagem de um homem amargurado e completamente perdido
com traços ora elegantes que agora contrastam com cicatrizes àcidas de quem
sofreu por contra própria e se entregou obsessivamente por uma mulher que a
princípio me tirou do eixo, de um eixo que nunca existiu.
Vergonha!
Não tem quem me tira da cabeça que esse é o sentimento mais nobre e original
que qualquer ser humano pode ter. E cada dia que se passa menos vergonha na
cara eu tenho.Não conseguia mais voltar atrás e dormir. Estava me sentindo estranho,
tinha que caminha um pouco, mesmo só vendo destroços e lama por todos os lados,
eu tinha que caminhar um pouco, baixar minha adrenalina e espantar 
meus demônios pessoais. E por falar em demônios, lembrei de Lena. O que teria
acontecido a ela? Como eu fui egoísta, passei o dia inteiro pensando em nada,
e não me lembrei de quem mais tinha me ajudado até então. Resolvi seguir em
direção ao lugar onde a tinha deixado na noite anterior.

continua...



Escrito por fernandobluesborghi às 20h47
[] [envie esta mensagem
]





Café Van Gogh ( 59 )

Com muito custo e depois de longas horas de caminhada por entre destroços
e mais destroços de uma cidade completamente arrasada e destruída, consegui
chegar ao centro da pequena Paraty. Nem a igreja havia sido poupada, seu sino
secular e magistral, jazia enterrado em meio à lama e areia que tomava conta
da pequena praça central, que aquela altura do campeonato servia de hospital
a céu aberto pela cruz vermelha, muitas pessoas eram atendidas em meio a um
sobe e desce sem fim de helicópteros se aproximando muito de um cenário de
guerra.  Resolvi me aproveitar daquela situação e pedi ajuda a uma enfermeira,
que cuidadosamente refez meu curativo na coxa, e me forneceu uma bela
e recheada marmita que me serviu de almoço. Já se passavam das seis e meia
da tarde quando consegui almoçar e sentei a beira de um meio fio para
apreciar as águas calmas e tranqüilas que banhavam a cidade. Perdi-me
olhando o horizonte e só sai daquele transe quando um dos enfermeiros
sentou-se ao meu lado puxou conversa comigo.
-Que merda, não agüento mais! Sabe o que é estar exausto, Estou costurando
gente desde as nove horas da manhã e não para de chegar neguinho todo arrebentado.
-Parece que a coisa está feia mesmo!
-Tem um cigarro pra me arrumar?
-Não tenho, vou ficar te devendo essa!
O cara começou a chorar do meu lado.
-Sabe o que é ver uma criança de menos de dois anos morrer bem na sua frente?
Fiquei calado.
-Estou falando com você! Tá me ouvindo?
O enfermeiro estava desesperado, seu choro era de lamento, dor de impotência.
-Não é fácil, sua profissão é complicada, eu te entendo!
-Que profissão cara, que profissão!
Fiquei meio ressabiado, ele mudou de atitude muito rapidamente, sua dor
e impotência se transformaram em raiva e ódio rapidamente.
-A sua profissão, a de enfermeiro. Eu sei que é muita responsabilidade.
Você lida com vidas, não é mole. Admiro-te, pode ter certeza!
Ele começou a rir na minha cara.
-E quem te disse que eu sou enfermeiro, cara!
Parei a conversa de maneira repentina, e comecei a encará-lo de baixo pra cima,
e ele ria. Mas seu riso não era de alegria, relaxamento de alívio.
Seu riso era de horror, era o fiel retrato de um homem confuso.
-Você não é enfermeiro então?
-Sou mecânico, olha minhas mãos!
Calos e mais calos tomavam conta de mãos enormes. Manchas de graxa dividiam
a mesma palma com sangue e gazes.
-Mas você está vestido de branco, trabalhando junto aos médicos, ajudando
a salvar milhares de vidas.
-Falta de opção. Ninguém ali é médico, ninguém ali é enfermeiro.
Aquela guria fez teu curativo, é merendeira numa Escola Municipal.
Não sabia o que dizer, o que pensar e nem como agir. Estava completamente
chocado com a confissão daquele pobre diabo. Que me cutucou e tirou do transe.
-Tem cigarro?
-Não, não fumo!

continua...



Escrito por fernandobluesborghi às 12h51
[] [envie esta mensagem
]





café Van Gogh ( 58 )

Ouve um momento de silêncio total. Todo mundo parou suas atividades
para me encarar. Me senti um completo alienígena no meio daquela gente
toda a me observar.
Por mais que quisesse me livrar daquele mundaréu de curiosos, de todos
tamanhos e faixas etárias, era impossível. Aquela altura me locomover,
era complicado. Estava cercado por uma quantidade enorme de curiosos
que mais pareciam sanguessugas em busca de sangue. Havia até alguns
irresponsáveis que de caneta em punho tinha a capacidade de pedir
autógrafo, como se aquele simples ato de ter sobrevivido aquele pesadelo,
fosse algo digno de glória, a ponto de me tornar o que eu mais detesto.
Ser alvo de atenção.
-Como você conseguir sobreviver?
-Você rezou para algum santo específico?
-Você está mancando por que?
-Tens namorada?
Era muita hipocrisia, não dava para suportar.
-Você conhecer o proprietário do iate?
O ser humano é o mais mesquinho e irracional dos seres que habitam a terra,
tenho certeza absoluta disso.
-Você escreve também?
-Sabia que nossa cidade vai aparecer no Jornal Nacional hoje?
Fui tentando me desvencilhar daquele povo todo e aos poucos sai da marinha
e tentei o impossível, que seria voltar ao centro da cidade. Digo impossível
porque tudo estava destruído, as ruas estavam sendo desbloqueadas
a base de tratores. Informaram-me que as estradas estavam intransitáveis,
muitas árvores haviam caído, e juntamente com enormes quedas de barreiras
haviam deixado (pelo menos por algumas horas), a pequena Paraty numa ilha
completamente destruída e isolada da civilização. Há poucas horas atrás o
Prefeito havia decretado estado de emergência. A defesa civil e a marinha
estavam tentando de todas as maneiras possíveis dar fim àquela verdadeira
calamidade pública. E para coroar com chave de ouro aquele caos imenso, a
embarcação que Miguel e o bando de escritores haviam utilizado para ir até
a tão falada ilha, estava entre as inúmeras que pertenciam a uma numerosa
lista de barcos que haviam sumido. Havia três possibilidades, para aquele
sumiço. Ou eles haviam chegado até terra firme, ou o forte vento havia
deslocado o barco para a bacia de Angra dos Reis ou Mar aberto, ou então
aquela que era considerada a explicação mais plausível para o sumiço do
pobre Miguel e os escritores. Eles muito provavelmente teriam afundado em
meio à turbulência.

continua...



Escrito por fernandobluesborghi às 20h58
[] [envie esta mensagem
]





Café Van Gogh ( 57 )

O cenário era aterrador, digno de pena e dó. Era cruel demais o que se via.
Por todos os lados só havia destruição. Barcos completamente destruídos,
um amontoado de veleiros em estado deplorável arrastados por terra firme,
uma enorme quantidade de iates virados de cabeça para baixo, troncos seculares
de árvores de tamanhos descomunais a deriva quase que por toda a margem,
pintavam com cores negras o fiel retrato do tamanho do estrago deixado pela
tempestade que havia desabado sobre Paraty na noite passada. Como que por
milagre, o pequeno Iate onde eu havia me refugiado e mais uns dois ou três,
eram os únicos sobreviventes daquela tormenta.
Um cheiro forte de fumaça tomava conta de boa parte da orla, focos de
incêndio estavam espalhados por todos os lados. O corpo de bombeiros
e alguns policias da defesa civil corriam de um lado a outro desesperados,
em meio a corpos mutilados. Populares choravam desesperados diante das perdas
causadas pelo tempo. O rosto das pessoas era a da mais completa desolação.
Mesmo com todo aquele caos espalhado por todos os lados, ainda era possível
avistar crianças brincando com o que havia restado dos barcos. Ao descer do
iate com um pouco de dificuldade e pisar em terra firme, dei de cara com um
senhor de cabelos brancos, coluna arcada e com um estiloso cachimbo prata em
uma das mãos. Ele com todo seu charme pessoal de marinheiro das antigas aparentava
ter uns setenta anos mais ou menos. Ao me ver descer do iate, veio em minha
direção, puxando conversa. Sua voz baixa e rouca era quase que imperceptível,
tive que me concentrar para ouvir o que ele falava.
-Você estava dentro daquele iate, filho?
-Estava!
Seus olhos estalaram, olhou ao seu redor, como que não acreditando que
no que ouvia.
-O que você estava fazendo lá dentro?
Mesmo duvidando até onde aquela conversa poderia me levar, resolvi alimentar
ainda mais o interesse do velho marinheiro.
-Como assim, não entendi a pergunta?
-Não tem vergonha na cara, não! A cidade está completamente destruída
e ainda assim você tem a cara de pau de sair por ai assaltando o pouco
que sobrou da propriedade dos outros.
-Acho que o senhor está cometendo um engano!
-Engano não senhor. Sinto o cheiro de um ladrão a quilômetros de distância!
-Não estava assaltando nada meu senhor!
Ele queria acreditar no que eu dizia, mas não dava o braço a torcer.
Seu semblante era da mais pura incredulidade existente no ser humano.
-Se você não estava assaltando aquele iate, o que estava fazendo lá dentro.
Por que dono dele eu sei que você não é? Conheço não é de hoje o dono desse
iate, é meu amigo de longa data!
Sabia que não precisava ficar dando  explicação para aquele
pobre coitado, mas também não me furtei de dar um pouco mais de atenção
a ele. Já que era exatamente isso que ele estava necessitando naquele momento.
-Eu dormi dentro dele. Ontem à noite o clima estava horrível, não tinha para
onde ir, e acabei adormecendo dentro dele, apenas isso.
De maneira lenta e calculada, ele fez questão de chegar bem próximo
de mim e sussurrar ainda mais baixo ao pé do meu ouvido.
-Você está querendo me dizer, que  sobreviveu à tempestade de ontem
à noite sozinho nesse pequeno barco!
-Sim senhor!
-Com ninguém mais. Apenas você?
-Acompanhei um grupo de amigos até uma embarcação que estava ancorada
ao lado e fiquei com um pouco de receio de encarar a fúria do tempo,
e seguir com eles em auto mar. Como não era possível enxergar um palmo
à frente para voltar à cidade, tomei a iniciativa de arrombar a porta
desse pequeno iate que acabou me servindo de abrigo, nada além disso,
posso te garantir?
O pequeno homem foi tomado por uma súbita dose de adrenalina e começou
a gritar a plenos pulmões, para todo mundo ouvir.
-Milagre! Milagre! Temos um sobrevivente aqui! Milagre! Milagre!
Esse homem encarou a tempestade e venceu! Milagre! Milagre!

continua...



Escrito por fernandobluesborghi às 11h56
[] [envie esta mensagem
]





Café Van Gogh ( 56 )

A tormenta havia diminuído consideravelmente e aos poucos a normalidade
parecia tomar conta do ambiente. No lugar daquele vento aterrador
apenas uma chuva fina fazia questão de acompanhar o que havia
restado daquela madrugada e início de manhã.
Lembro que a última coisa que fiz antes de apagar de vez, foi de olhar
o horário no relógio da parede. Faltavam cinco minutos para as oito
horas da manhã quando aquele temporal havia finalmente ido embora.
Tive sonhos dos mais estranhos possíveis, desde uma visão amarelada
de minha perna sendo amputada por cinco cirurgiões anões do norte da
Ásia até a o mais louco e desvairado pesadelo de ao cair dentro do mar
ser salvo por ninguém menos do que Namor, o príncipe dos sete mares
dos quadrinhos americanos. Namor era uma espécie de escravo. Salvou-me
de um afogamento certeiro e acabou me levando até uma cidade aquática
dominada por mulheres que escravizavam homens sem dó nem piedade.
Fui parar numa casa das máquinas, onde mais de mil homens
ficavam enclausurados num covil, remando incessantemente a fim de manter
a energia da cúpula protetora da cidade sub aquática em alerta.
Remei durante três dias e três noites sem parar um minuto sequer,
até que meus músculos estouraram em carne viva e fui rejeitado
como sub-resto animal, sendo que meu corpo foi servido aos tubarões que
faziam parte do comando aquático que servia de guarda a sua senhora
a Rainha Aquática.Uma mistura improvável de Beth Carvalho com Orca Assasina.
A sensação que tive ao abrir os olhos era que tinha levado uma surra.
Senti meu corpo arder em febre. Estava completamente moído, parecia que
tinha carregado toneladas e mais toneladas de peso durante a noite.
Durante o sono o corpo havia secado parte da roupa, mas mesmo assim,
estava bem molhado, o que fez com que eu primeiramente procurasse algo
mais confortável para vestir em meio ao caos que havia se transformado
aquele iate. Comecei a fuçar no que havia restado de alguns armários
até achar uma calça verde oliva que me caiu feito luva, uma camiseta
branca estampada com a cara do Tom Jobim e um boné vermelho que fizeram
eu me sentir um pouco mais confortável.
O relógio da parede marcava 14:00 em ponto, e só então, com um pouco mais
de calma e tranqüilidade é que pude notar que parte da decoração das
paredes do barco haviam se espalhado por todo o piso, um enorme porta
retrato de uma sorridente família unida (pai, mãe e duas crianças,
na faixa dos nove, dez anos), que com certeza eram proprietárias
da embarcação jazia destroçado ao meu lado, junto a mais de uma
centena de fotos de uma série de pessoas (do círculo de amizades,
bem provável), ao lado de personalidades das mais dispares possíveis
feito Vanderléa, Chacrinha, Cartola, Sérgio Buarque de Hollanda Rivelino,
Décio de Almeida Prado e é claro do velho e Tom Jobim que de agora
em diante eu estamparia no peito.
Fui em direção à porta e um sol fantástico veio me recepcionar,
um lindo céu azul, onde sequer uma nuvem pairava no horizonte, me
deslumbrou e fez com que eu respirasse um pouco mais tranqüilo.
Enfim, eu achava que a normalidade havia voltado. Mas olhar ao redor
da embarcação o que vi foi algo aterrador, parecia que o planeta havia
sido chacoalhado. O caos imperava, por todos os lados, onde quer que minha
vista tivesse alcance o que se via era só destruição e ruína.

continua...



Escrito por fernandobluesborghi às 10h10
[] [envie esta mensagem
]





Café Van Gogh ( 55 )

A imagem de terror que aquela tempestade provocava era cada vez
maior e mais densa. Não havia meios de se locomover frente aquela
massa avassaladora de água, ventos e relâmpagos. A Baia de Paraty
havia se transformado em cenário de filme de horror. A revolta
das águas, e o vento que cada vez mais fazia estragos por todos
os lados fez com que eu pensasse melhor no que faria dali
por diante.  Seria impossível chegar até a cidade, não conseguia
enxergar sequer um palmo diante do meu nariz. Não tinha muitas
escolhas. Ou invadia uma daquelas embarcações que estavam atracadas
a minha frente, ou tentava a sorte me arriscando no meio daquele
tempo maluco. Mesmo tendo consciência que aquela não seria a saída
mais viável, resolvi arrombar um pequeno iate que estava atracado
adiante. Primeiro tentei arrombar a porta que dava acesso a parte
interior com a perna que não estava baleada, mas sentindo que seria
impossível vencer aquela porta feita de resina sintética, peguei um
pequeno pedaço de barra de ferro que me serviu como uma espécie de
pé de cabra, e depois de algumas tentativas consegui com que a
porta abrisse.
Era incrível como um pequeno iate feito aquele, pudesse ser tão
confortável e luxuoso em seu interior. Um conforto digno de uma mansão,
com todo luxo e sofisticação que se tem direito. Mesmo estando um breu
imenso, dei muita sorte, pois os relâmpagos do temporal clarearam o
suficiente para eu encontrar a chave mestra que ligava toda a energia
do barco, e que para meu espanto geral era bem maior ainda do que eu
poderia crer. Seus aposentos divididos em cozinha e sanitário eram
realmente inacreditáveis. Sentei-me num sofá, e vomitei. A embarcação
também sentia o poder do vento e ora pendia para um lado, ora para o outro,
era impossível se equilibrar com tamanha força da natureza. O forte
zumbido do vento mais parecia um longo gemido de terror e cólera. O que
se ouvia eram enorme estouros, estampidos graves e agudos que eram seguidos
de pancadas secas e violentas feito uma camada forte e consistente de
algo que mais parecia um esvoaçar de metais escoando-se por frestas.
Vomitei novamente, e dessa com mais força e nojo que das vezes anteriores.
Comecei a temer por minha vida, olhava para o teto só esperando que
algo ou alguma coisa surgisse do nada e acabasse com tudo de vez. O medo
que sentia não era da morte em si, mas de algo além, algo maior,
inexplicável e tão ou mais sombrio e taciturno que minha pobre
existência. Por mais que estivesse envolvido até a medula num enorme
espiral de declínio que a toda hora fazia questão de não dar a mínima
possibilidade de reversão, eu não queria desistir de tudo e morrer
daquela maneira, feito um cachorro, acossado com medo, temendo viver
a vida no seu limite e se entregando de vez. Comecei a chorar.
Mesmo tendo que me equilibrar de um lado para outro, chorei. E não era
um choro meloso ou de dor, era um choro amargo e tenso que no fundo
não era nada além do mais puro reflexo do desespero interior de um refém
empalidecido e circunspecto de si mesmo. 
Finalmente adormeci.

continua...

 



Escrito por fernandobluesborghi às 18h27
[] [envie esta mensagem
]



 
  [ Ver arquivos anteriores ]